A Visabeira surgiu em Viseu no ano de 1980. Dois irmãos criavam uma empresa na área das telecomunicações e energia, fornecendo serviços de engenharia de redes, incluindo produção, instalação, gestão e manutenção. Rapidamente se tornaram líderes no mercado. Mas, ambiciosos, os empresários decidiram aproveitar algumas oportunidades que foram surgindo e, nos anos seguintes, formavam um conjunto de empresas em outros segmentos – tais como, turismo, indústria e imobiliário. O negócio cresceu e, em 1989, era criado o Grupo Visabeira que serviu de elemento agregador desse conjunto de empresas em setores tão distintos. Hoje, passados 39 anos da sua fundação, e após uma reorganização no final de 2018, o Grupo Visabeira passou a dividir-se nas seguintes sub-holdings: Visabeira Global (telecomunicações, energia, tecnologia e construção); Visabeira Indústria (cerâmica e cristalaria, cozinhas, biocombustíveis, energia térmica e recursos naturais); Visabeira Turismo, Imobiliária e Serviços (hotelaria, restauração, shopping, imobiliária e serviços). A administradora Alexandra Lopes dá alguns exemplos de projetos elaborados pelo Grupo Visabeira: “Na área de construção civil, por exemplo, a nossa empresa Edivisa agrupa todas as especialidades na área da construção e infraestruturas. Nos últimos anos apresentou obras emblemáticas como o Palácio do Gelo Shopping, o Hospital CUF Viseu e o Montebelo Vista Alegre Ílhavo Hotel. Na indústria, destaco a Vista Alegre que continua a fazer parcerias com artistas e marcas de renome mundial. Este ano, a conceituada marca suíça Franck Muller e a Vista Alegre uniram-se para apresentarem a edição exclusiva do relógio ‘Atlântico’, que é apresentado numa redoma de cristal, num lançamento limitado a 20 exemplares.”

Das telecomunicações à energia, passando pela indústria e o turismo, o Grupo Visabeira apresenta sempre soluções competitivas, sustentáveis e inovadoras, garante a responsável. Prova disso, foi o investimento recente feito nas unidades fabris da Ria Stone, unidade industrial do Grupo que possui um processo inovador de produção de louça de mesa em grés em monocozedura, garantindo a mais elevada eficiência energética e competitividade. “Fizemos um incremento da capacidade produtiva que permitiu corresponder à necessidade do cliente IKEA, que pretendia um aumento de produção de 30 milhões de peças para 50 milhões de peças/ano em grés”. Para além da Ria Stone, este ano, o Grupo Visabeira fez ainda um investimento na sua marca Bordallo Pinheiro, que resultou na “remodelação das instalações anteriores e uma nova nave industrial, dando origem a uma nova fábrica com cerca de 12 mil m², com novos equipamentos e modernas instalações”, segundo Alexandra Lopes. Para ajudar na evolução das suas atividades, de modo a cumprir aquilo a que se propõem, o Grupo Visabeira considera que a solução de renting da GRENKE tem sido fundamental. Porquê? “Pela sua flexibilidade e agilidade, apresentando soluções de financiamento de cariz diferenciador. Além disso, a relação é excelente, pautada pelo empenho e dedicação da equipa da GRENKE, que procura sempre corresponder às nossas necessidades”, aponta a administradora do Grupo.

O Grupo Visabeira encerrou o ano de 2018 com um volume de negócios consolidado de 745 milhões de euros, esperando atingir este ano os 900 milhões de euros. Em 2020, ano em que o Grupo completa 40 anos de existência, espera alcançar os 1000 milhões de euros.