Qual o produto que considera a maior inovação da Ovimafra?
A maior inovação da Ovimafra foi a introdução dos fios de ovos no mercado português. Não fizemos nada que os pasteleiros não fizessem já, mas a novidade aqui foi que passámos a fornecer um produto embalado – primeiro em sacos de alta barreira e depois em cuvetes de alta barreira, acondicionado em atmosfera modificada -, em que o pasteleiro compra, guarda no frigorífico, e abre quando necessita. Esta foi a maior inovação que trouxemos ao mercado, isto não existia em Portugal. Qual a grande vantagem? Os pasteleiros até podem fazer os seus próprios fios de ovos, mas caso recebam muitas encomendas, por exemplo na época do Natal, estes não vão ter tempo de os fazer. E a Ovimafra dá-lhes a possibilidade de comprarem os fios de ovos de uma forma rápida. Basta um telefonema, que conseguimos fornecer o produto.

Que outros produtos destaca da sua oferta?
Começámos por vender apenas ovos, em 1977, mas hoje já temos um portfólio muito diverso. Por exemplo, só nos doces de ovo temos seis variedades. Destaco também a nossa Massa da Broa Castelar em balde e a Massa de Ovo Dura para a elaboração de iguarias como castanhas de ovos, por exemplo.
Nos últimos anos temos introduzido também na nossa oferta alguns doces já prontos, porque acreditamos que pode ser uma mais-valia para os nossos clientes. Ou seja, tudo o que seja difícil de fazer, seja por uma questão de tempo ou recursos, nós apresentamos uma solução. Temos clientes que nos compram lampreias, outros que nos compram molotofs, por exemplo. Não pretendemos aqui ser concorrência, mas uma mais-valia. Além disso, temos algumas parcerias com outras empresas para incluir na nossa oferta soluções de padaria e pastelaria (como margarinas, fermentos, natas, por exemplo), e ainda soluções de chocolate e massapão. 

“A GRENKE trata de tudo com muita facilidade, o serviço é rápido e prático. E as condições são vantajosas para nós. É um serviço que tem funcionado naquilo que temos necessitado e isso é sempre uma mais-valia.”

Qual a importância do investimento na renovação dos equipamentos tecnológicos para o vosso negócio?
Os equipamentos tecnológicos são um grande auxílio no nosso negócio. Muitas pessoas acreditam que as máquinas vão substituir o homem, mas a Ovimafra não o entende assim. As máquinas vêm facilitar e rentabilizar o trabalho das pessoas. Se fosse tudo feito à mão aqui na empresa, não havia espaço nem recursos para conseguir produzir todo o nosso portfólio. E por isso, acredito que o investimento é necessário tanto nas instalações como nos equipamentos. Este ano investimos 1 milhão e 200 mil euros para ampliar as nossas instalações e adquirir equipamentos novos, e para tal procurámos a solução de renting da GRENKE. 

Considera o renting uma ferramenta fundamental para o crescimento da Ovimafra?
Sem dúvida. Para manter um negócio é preciso muito dinheiro. E às vezes temos, mas no mês seguinte já não temos. A solução de renting é por isso uma boa opção, até para não descalçarmos a tesouraria.

Como é a relação entre a Ovimafra e a GRENKE?
Trabalho com a GRENKE há dois anos e tem corrido tudo muito bem. Mantenho uma boa relação com o comercial da GRENKE e isso é essencial. A GRENKE trata de tudo com muita facilidade, o serviço é rápido e prático. E as condições são vantajosas para nós. É um serviço que tem funcionado naquilo que temos necessitado e isso é sempre uma mais-valia.