Hélder Silva e Rui Costa têm percursos profissionais diferentes – o primeiro é formado em neurociências, o segundo em engenharia informática –, mas o gosto pela tecnologia juntou-os. Em 2016, participaram numa hackathon (maratona de programação), no Porto, onde desenvolveram uma rede alumni que tinha como objetivo aproximar os antigos alunos das universidades e recrutadores. Durante os meses seguintes investiram todo o seu tempo neste projeto, chegando a falar com centros de carreira, universidades e dezenas de alumni. E apesar da boa aceitação à ideia da plataforma, por parte das universidades, a ideia não avançou. Porquê? “O tempo de decisão das universidades era muito moroso e percebemos que o potencial estava antes no mercado de recrutamento. Este mercado era ineficiente e verificámos que podíamos fazer a diferença se utilizássemos inteligência artificial para fazer o match perfeito entre as ofertas de emprego e os candidatos”, relembra Hélder Silva. A partir daqui, os dois empreendedores começaram por fazer alguma investigação, desenvolveram uma nova plataforma e, em janeiro de 2019, lançavam oficialmente a Newton. E do que se trata? De uma solução de recrutamento que funciona através do chat do Messenger, no Facebook, que permite encontrar os melhores candidatos para as vagas de emprego, e vice-versa, em cerca de 20 minutos. “É uma tecnologia com inteligência artificial, que cruza o deep learning e o processamento de linguagem natural, para ler a informação de cada oferta de trabalho e conseguir chegar aos melhores match’s. Ou seja, o Newton consegue compreender que o motorista de camião e o estafeta de entregas podem ser trabalhos indicados para o mesmo perfil”, explica.

“A solução permite poupar mais de 80% do tempo que os recrutadores gastam a avaliar centenas de currículos.”
Hélder Silva, cofundador da Newton

A ferramenta é muito fácil de usar, tanto pelos candidatos como pelas empresas, de acordo com o empreendedor. “O candidato só tem de fazer o upload do seu currículo no Newton e esperar que seja contactado, através do chat do Facebook, sempre que surja uma oferta de trabalho adequada ao seu perfil. Do lado das empresas, precisam apenas de introduzir um link de uma página web onde têm a oferta de emprego publicada. Depois, o Newton procura e ‘entrevista’, através do seu bot, vários candidatos disponíveis, apresentando depois uma lista de cinco a 10 perfis ajustados para aquela posição”, adianta Hélder Silva. Após a entrega desta lista, a empresa fica responsável pelas fases seguintes do recrutamento. “A solução permite poupar mais de 80% do tempo que os recrutadores gastam a avaliar centenas de currículos”, explica o cofundador da startup. “No fundo, o que queremos é deixar para as máquinas o que é das máquinas – o trabalho analítico – e deixar para as pessoas a tomada de decisão. A grande vantagem do Newton é a capacidade de chegar a uma shortlist de candidatos em poucos minutos”.
A solução já conquistou vários clientes, desde gigantes como a Nike a algumas empresas incubadoras como o Y Combinator ou a Wonderfull World. Conta já com uma carteira de 300 clientes e já concluiu 1200 processos de recrutamento. Disponível em qualquer parte do mundo (funciona na língua inglesa), a Newton está otimizada para posições nas áreas de tecnologia, mas o objetivo é abrir a todas as áreas de especialização e indústrias. Nos planos de Hélder Silva e Rui Costa está também o desenvolvimento desta tecnologia para funcionar no LinkedIn.