A Digidelta surgiu no mesmo ano em que apareceram os primeiros PC (Personal Computer) em Portugal, dedicados às PME e inicialmente destinados a soluções de gestão. Estávamos em 1986. Nos anos seguintes, e com o desenvolvimento das capacidades destes equipamentos, apareceram as primeiras soluções para a indústria gráfica, área principal da empresa portuguesa fundada por Rui Leitão. Entre 1990 e 1992, a Digidelta começava assim a comercializar as primeiras soluções: os sistemas de edição de texto Desktop Publishing e as primeiras Lasers PostScript para impressão de fotolitos de seleção de cores, através de uma empresa representada em Portugal. E o sucesso em vendas foi enorme! Na altura, a Digidelta foi considerada o melhor revendedor em Portugal destes sistemas gráficos. Hoje, passados 33 anos da sua fundação, o seu leque de oferta é maior e a empresa caracteriza-se por ser uma fabricante para os mercados da etiquetagem, exibição digital, impressão digital e comunicação visual. “A Digidelta oferece uma gama de produtos para impressão digital e 3D da marca Mimaki, EFI e outras. A gama de equipamentos que propomos é utilizada para todo o tipo de comunicação visual, desde lonas para fachadas de edifícios, vinil para outdoors e decoração de viaturas, bem como impressão de brindes publicitários. Já como fabricantes de soluções de comunicação digital led disponibilizamos soluções para outdoors, fachadas de edifícios, montras de lojas, gasolineiras e outras aplicações como comunicação para retalho (indoor), estádios de futebol ou mesmo stands automóveis”, adianta Marco Fernandes, CFO da Digidelta. O responsável acredita que esta variedade de aplicações que os equipamentos permitem é o que conquista os clientes e traz resultados – este ano já atingiram um número superior a 850 clientes. “A procura pelas melhores soluções para os nossos clientes é um dos nossos pilares, razão pela qual juntamos ao nosso portfólio produtos das mais prestigiadas marcas internacionais que dão as melhores garantias para o sucesso dos seus negócios.”

“A procura das melhores soluções para os nossos clientes é um dos nossos pilares.”

Para o êxito da Digidelta, e também dos seus clientes, Marco Fernandes considera a parceria com a GRENKE uma mais-valia. “As soluções de renting operacional adequam-se na perfeição aos serviços que prestamos. É uma mais-valia não só pelo prazo de pagamento, mas também pela flexibilidade e agilidade no tratamento do processo. É uma mais-valia tremenda no ato da venda. Efetivamente a equipa e os produtos da GRENKE são, sem dúvida, diferenciadores”.
A Digidelta faturou no passado cerca de 40 milhões de euros.