Já reparou que as máquinas registadoras estão quase sempre escondidas do cliente? Diogo Ferreira e Luís Líbano, que trabalham no mercado de software de faturação há mais de 20 anos, também repararam. E, há uns anos, questionaram-se se não podiam criar uma solução diferente, um ponto de venda que também funcionasse como uma peça decorativa. “Foi assim que nasceu a POOSH. Verificámos que existia uma lacuna no mercado, que não havia uma oferta de POS com um design mais apelativo e, após quatro a cinco anos de desenvolvimento do produto, decidimos lançar esta caixa registadora com um design mais atrativo, inovador. Normalmente, as POS estão escondidas do cliente, e nós queríamos mudar isso”, revela Diogo Ferreira.

Lançada em 2016, a POOSH tem atualmente duas linhas de máquinas registadoras: a Classic e a Trend. A Classic permite personalizar a máquina em madeiras como ébano, pau-santo, raiz de mogno e teixo; já na linha Trend as máquinas podem ser lacadas com cor. “As máquinas podem ser totalmente personalizadas. A empresa pode escolher criar uma máquina com quatro madeiras diferentes, por exemplo. Pode escolher a cor, pode encastrar o seu logótipo, se quiser”. A oferta inclui o monitor tátil, o display do cliente e a impressora. Um detalhe importante: o display do cliente permite passar vídeos, fotografias, informações sobre promoções, por exemplo. A máquina registadora funciona com qualquer sistema operativo e software de faturação.

O restaurante JNcQUOI, em Lisboa, o Hard Rock Café, no Porto, hotéis nos Alpes Suíços, e algumas lojas em Lisboa e Paris, são alguns dos clientes da POOSH.