Sabe o porquê de fazer o que faz? A pergunta é simples, mas poucas pessoas, empresas e organizações parecem saber responder. Muitas vezes, põem os “quês” à frente dos “porquês”. Descrever o que fazem, descrever os produtos e serviços que vendem, é fácil. Os quês são fáceis de identificar. Mas para Simon Sinek, autor do livro “Primeiro Pergunte Porquê” e autor da terceira TedTalk mais vista de sempre (“How great leaders inspire action”, com mais de 40 milhões de visualizações), o mais importante é saber o porquê, é saber qual o propósito, a causa, a crença. “Por que motivo é que as vossas empresas existem? Por que razão é que se levanta da cama todos os dias?”, questiona o autor no livro.

Simon Sinek usa um conceito retirado da matemática, O Círculo Dourado, para demonstrar que as empresas e os líderes de maior sucesso são aqueles que começam por questionar o porquê das suas ações. Só quando sabem o que os move, é que podem mover os outros. Só quando são movidos por uma paixão, é que podem inspirar. Não é o que as empresas fazem que as diferencia, mas antes a paixão que as move. Uma mota pode ser só um veículo de duas rodas; mas se for uma Harley Davidson, significa já a entrada num clube. Ao longo do livro, o autor dá ainda outros exemplos de empresas e personalidades que sabem o porquê de fazerem o que fazem. Um exemplo recorrente é a Apple. Conta na obra, o caso do mp3. Poucas pessoas se lembram, mas a Creative Technology Ltd. foi a empresa que lançou o primeiro mp3 do mercado. No entanto, para a história ficou o iPod, que só foi lançado 22 meses depois da entrada da Creative no mercado. Tirando o design e preço, os dois produtos equivaliam–se. Mas a filosofia dos seus criadores era radicalmente diferente. A Creative anunciou o seu produto como um “leitor de mp3 com 5GB”, já a Apple passou uma mensagem diferente: “1000 canções no seu bolso”. Ou seja, a Creative falava das características técnicas do novo gadget enquanto a Apple disse-nos por que razão precisávamos dele.