Bons Negócios

Uma imagem que atrai talento

Bastidores  |   07 Mar 2017

Devemos preocupar-nos com a imagem que o nosso escritório transmite? Fizemos a pergunta a Jorge Afonseca, diretor em Portugal da 3g office, uma empresa de arquitetura especializada em espaços de trabalho. E o responsável acredita que sim. Se quisermos atrair clientes, investidores, mas sobretudo talento. "Há empresas que vão sempre necessitar de revelar a sua imagem através de um showroom, das suas montras, de um centro de visitas para receber um cliente ou investidor. No entanto, de há uns tempos para cá, esta ação está a mudar. Cada vez mais as empresas preocupam-se também em ter uma imagem que atraia novos recursos humanos. E isso tem vindo a transpor-se para o espaço de trabalho. Como? Criando escritórios onde os colaboradores possam movimentar-se à vontade e partilharem conhecimento. Espaços flexíveis que lhes permitam estar em mobilidade. Porque, neste momento, e de algum modo, é isso a chave das empresas. Estas deixaram propriamente de vender só um produto, para passar a ter uma área de conhecimento. E o conhecimento das empresas está nos seus recursos humanos".
Jorge Afonseca revela que há empresas que já apostaram nesta mudança. A Microsoft Portugal e a Deloitte, por exemplo. Mas há empresas que são mais reticentes. "A dada altura, vamos verificar que as empresas que não se adaptarem, podem desaparecer. É importante estar atento às tendências em workspace innovation, é importante perceber o que tem vindo a mudar, o que as gerações estão a pedir. Afinal, a geração de hoje, batizada de millennials, dentro de um par de anos vai estar em 70% daquilo que é a direção de uma empresa", aponta o diretor da 3g office em Portugal.
A nova geração é um ponto chave para o futuro de uma empresa, mas o responsável defende que não nos podemos esquecer que dentro de um escritório podem existir vários grupos geracionais. E é aí que entra a 3g office, para fazer uma avaliação sobre as necessidades dos clientes, analisar como é o modo de trabalhar dos colaboradores, elaborar uma investigação e implementar os conceitos de workspace innovation mais adequados ao espaço de trabalho e à forma de trabalhar do cliente. "Muitos colaboradores dizem-nos que onde se sentem bem a trabalhar é em casa. E não vejo problema nenhum em trazer o ambiente mais caseiro, mais familiar, para dentro de uma empresa. É, por isso que vemos muitas empresas a adotar esse home feeling nos espaços de trabalho. Há outros clientes que nos desafiam a integrar tecnologia com tradição, por exemplo, ao nível dos materiais e peças de mobiliário". Os clientes da 3g office dão sempre diferentes guidelines do que pretendem, mas Jorge Afonseca acredita que a mudança tem, para já, um só caminho: "as empresas vão deixar de ser um lugar para trabalhar. Vão passar a ser um lugar para partilhar, para reunir, para discutir uma ideia, para fazer uma apresentação para um cliente".

Partilhe este artigo

Comentários  |  0 Comentários

Máximo 600 caracteres | Política de Comentários

Submeter
Subscrever Newsletter