Bons Negócios

Ser ou não ser... já não é questão!

Opinião  |   07 Mar 2017  |  Por: Ana Luzia

Portugal é composto por um tecido empresarial predominantemente constituído por pequenas e médias empresas, equivalendo a 99,7% das empresas do setor não financeiro, segundo o Instituto Nacional de Estatística. Isto equivale a uma gestão diária do negócio mais dedicada e focada na gestão de tesouraria, para conseguir potenciar os resultados de negócio e seus lucros. Mas num mercado com este perfil existe algo de extrema dificuldade, que é o reconhecimento e a exposição destas empresas ao mercado.
Uma das regras de gestão que todos os dias é posta em prática é que as necessidades são ilimitadas e os recursos escassos. Nada mais verdade se falarmos nas pequenas, médias e microempresas. O empreendedorismo e a microgestão fazem com que os gestores sejam obrigados a desempenhar múltiplos papéis, responsabilidades e atividades que têm de ser respondidas com a maior brevidade e assertividade possível. Uma dessas áreas é o marketing e a sua comunicação, que para muitos ainda é vista como uma área de gastos e não de investimento. Sinceramente, quais as razões para esta visão ainda persistir? Existem algumas, como sejam os investimentos não planeados e definidos de modo estratégico, que levam a resultados irrelevantes ou desconexos, e que não permitem efetuar diretamente a correlação entre investimento e resultados do impacto de negócio obtidos.
Graças à tecnologia e à persistência e insistência técnica de evolução de um setor muito conectado com a criatividade, temos visto a crescer uma nova força, a do marketing digital. Esta força provém não só de uma curiosidade natural de algo que ainda não está completamente estudado e comprovado, mas também por ser a primeira vez que o paradigma de investimento de marketing é realmente posto à prova.
Com o marketing digital democratizou-se o conceito de avaliação quantitativa do investimento em marketing, pois tornou-se simples, fácil e mensurável obter este tipo de informação, ao contrário do que até então se promovia com base no mero reconhecimento e proliferação de ruído publicitário em redor das marcas. O marketing digital traz resultados claros e correlacionáveis entre si e as ações desenvolvidas pelas marcas. Mas acima de tudo, tornou possível qualquer marca, seja qual for a sua dimensão, poder investir de modo simples e claro na promoção da sua marca e ao mesmo tempo assegurar que alcança os públicos-alvo corretos, promovendo ainda a possibilidade de interação e criação de ações de aquisição dos seus produtos ou serviços de modo imediato.
O marketing digital é também um novo comportamento de gestão, que se foca não só na ligação direta com os clientes, mas também na gestão integrada das diversas ferramentas do marketing e comunicação, abrindo portas para que os mercados de uma marca não se restrinjam a um mero mercado local de proximidade geográfica, mas sim a um mercado global de referenciação por proximidade e relacionamento de interesses e perfis.

Créditos imagem © Inspiring

Ana Luzia

Account Manager LEWIS

Licenciada em Comunicação Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa, Ana Luzia é desde 2012 account manager na agência de comunicação LEWIS, com especial enfoque na estratégia de comunicação e relações públicas B2B de players da área de entretenimento e tecnologia. A responsável conta com quatro anos de experiência em jornalismo em áreas como negócios e empresas, televisão e entretenimento, vinhos e gastronomia.

Partilhe este artigo

Comentários  |  0 Comentários

Máximo 600 caracteres | Política de Comentários

Submeter
Subscrever Newsletter